História da Radioterapia

A Radioterapia surgiu no final do século XIX na sequência da descoberta dos raios X, por Roentgen em 1895, e do rádio, por Marie e Pierre Curie em 1898.

A radiação foi uma das primeiras vias de tratamento do cancro, tendo sido realizado o primeiro tratamento com sucesso em 1898. Nessa época utilizavam-se doses elevadas num único tratamento, o que acabou por provocar muitas complicações.

A radiação foi uma das primeiras vias de tratamento do cancro, tendo sido realizado o primeiro tratamento com sucesso em 1898

Entre 1920 e 1940, os estudos realizados procuraram avaliar os efeitos da radiação nos tecidos e iniciou-se o fraccionamento de dose (dividindo a dose total de tratamento em várias fracções).

Em 1952, realizou-se o primeiro tratamento com uma unidade de cobalto-60 e em meados dos anos 50 desenvolveram-se aceleradores lineares para tratamento dos tecidos mais profundos e menos dispersão de radiação para os tecidos normais.

Nos últimos 100 anos, a Radioterapia desenvolveu-se através da utilização de tecnologia computorizada, do aperfeiçoamento dos equipamentos de tratamento e dos progressos da radiobiologia.

O primeiro Serviço de Radioterapia em Portugal remonta a 1958, no Instituto Português de Oncologia

O primeiro Serviço de Radioterapia em Portugal remonta a 1958, no Instituto Português de Oncologia, onde é instalada a primeira Unidade de Cobalto-60 da Península Ibérica. Em 1974 é instalado o primeiro Acelerador Linear e um Simulador para a obtenção de melhores resultados terapêuticos.